Carne produzida a pasto está na moda?

por Redação Portal IATF 852 views0

carne

A grass-fed ou carne produzida a pasto vem se tornando cada vez mais popular nos EUA e em outras partes do mundo.

O caso é que no Brasil praticamente todo o gado já é criado no pasto, pois o Brasil possui um território muito grande e pastos suficientes para tal criação.

Para entender porque as pessoas estão preferindo consumir o gado criado a pasto do que o gado criado com grãos, temos que entender como eles são criados.

A criação de gados

Na criação com grãos, os animais são alimentados com soja e milho, ficam geralmente em lugares confinados o que acaba deixando o gado mais estressado e suscetíveis a doenças, além de ter que se ser maior a quantidade usada de antibióticos, hormônios de crescimento e pesticidas para fortalecer e ajudar no seu crescimento.

Isso inclui mais gastos e faz com que as pessoas também consumam maiores quantidades desses agentes.

Criação do gado no pasto

Quando o gado é criado a pasto, pode se dizer que ele tem uma vida mais tranquila até chegar na idade do abate.

O gado é criado livre comendo somente gramíneas e trevos que venham a nascer nos campos.

O gado não fica estressado e a quantidade de antibióticos, hormônios e pesticidas que ele toma é em quantidade bem menor.

Comparando esses dois meios de criação, não é difícil de analisar qual que é o meio mais saudável para o gado e para os consumidores.

Não se pode esquecer também que a criação de gado no pasto é muito melhor para o planeta do que a criação em locais confinados. O gado que fica em confinamento tem seu esterco limpo e colocado nos campos, fazendo com que poucos nutrientes retorne a terra.

Na criação a pasto, o gado deixa o esterco no mesmo lugar que ele retirou seu alimento, fortificando e desenvolvendo o solo no decorrer de sua pastagem.

Benefícios ao meio ambiente

Para se ter uma ideia, cinquenta vacas e oitenta bezerros produzem oitenta toneladas de carbono durante um ano.

O carbono gerado pelas máquinas e pelo gado, chega a cento e doze toneladas ao ano. Já o sequestro de carbonos da atmosfera gerado pelo esterco desses animais criados soltos, chega a quinhentas toneladas, gerando uma remoção de trezentas e oitenta e oito toneladas de carbono da atmosfera.

Então, levando em conta que os gados criados no pasto são mais saudáveis, são menos estressados, não tomam antibióticos (ou tomam menos) e ainda ajudam na redução de gás carbônico da atmosfera, a conclusão desse estudo foi que as pessoas estão mais dispostas a pagar por esses benefícios, para assim ter uma vida mais saudável também.

Podemos dizer que isso não é uma moda passageira, e sim um nicho de mercado que o Brasil já conhece faz tempo e só tende a aumentar.

Carne produzida a pasto no Brasil

O Brasil é o maior produtor de grass fed no mundo. Aqui no Brasil se consome a carne mais saudável do mundo e muitas vezes, o consumidor nem se dá conta disso, e ainda se pode melhorar muito a qualidade das pastagens, mas para crescer mundialmente e ser reconhecido como o maior produtor de grass fed do mundo, é preciso de investimentos tanto de governo quanto dos produtores de gado.

Quanto mais pessoas consumirem grass fed, melhor para o mundo e para o Brasil, pois haverá redução de carbono na atmosfera, as pessoas ficarão mais saudáveis e o gado terá uma vida mais confortável, consequentemente, a carne será mais saborosa.

O que você acha dessas informações? Para você é interessante criar o gado desse modo?

Receba nossos conteúdos

Assine a lista e receba conteúdos exclusivos do portal

Obrigado! Sua assinatura foi confirmada com sucesso!

Gostou do artigo? Deixe seus comentários abaixo

comentários

Share This